A grande ideia da carreira de Adam Smith não foi a de que a divisão do trabalho aumenta a produtividade. Também não foi a de que, movidas pelo interesse próprio (e respeitando algumas regras, como não matar, não fazer cartel etc.), as pessoas trabalham umas para as outras e organizam o trabalho de forma eficiente.

A ideia que me faz classificar Smith como gênio também não tem nada a ver com o equilíbrio de mercado, com as pessoas querendo produzir mais e consumir menos de um produto quando seu preço sobe.

Gosto dessas ideias e sei que, como quase todas, elas são uma descrição do que Smith observou visitando fábricas e estudando séries de dados (como as dos preços da prata, no capítulo mais extenuante do Riqueza das nações). Muito disso já era intuído pelos empresários da época, mas foi organizado, digerido e posto no papel por Smith.

Mas sua grande ideia, a que o tornou conhecido ainda no século XVIII – e que até hoje é lida sem muitas inclusões, exceções e refinamentos – tem a ver com como as pessoas vêem a si mesmas  e às outras, tem a ver com até que ponto sentem empatia com o sofrimento alheio e como é irritante quando não sentem.

Thomas Piketty, em seu livro sobre concentração de renda e patrimônio, lembra que, apesar de seu alto nível de renda, os Estados Unidos nunca desenvolveram um sistema de bem estar social similar aos sistemas europeus. Os EUA não têm nem ao menos um sistema de saúde pública.

Para Piketty, eles não criaram um estado de bem estar social porque são racistas. Parte da população, mesmo sendo pobre, vota contra o aumento da segurança social e a garantia de atendimento médico para excluir outra parte – com a qual não sente empatia. Eles literalmente não estão nem aí para o sofrimento alheio (sofrimento com a falta de hospital ou de apoio social básico).

E quando a concentração de renda aumenta, essa falta de empatia ganha ares de crueldade.

Um nível alto de desigualdade faz com que algumas pessoas tenham boas reservas/sobras enquanto outras não conseguem o bastante para o básico. As pessoas que não têm o básico ficarão ansiosas para conseguir mais dinheiro. Mas boa parte dos possíveis contratantes está na parte mais rica da população.

A imagem do bilionário praticamente comprando pessoas para satisfazer seus caprichos mais estranhos foi a que saiu do relatório (com informações até agora não comprovadas) sobre o novo presidente dos EUA publicado pelo site Buzzfieed.

Se Trump foi eleito porque parte do eleitorado estava insatisfeita com a estagnação de sua renda nos últimos anos, seu perfil concentrador promete que esse problema não vai ser resolvido: teremos mais concentração de renda e mais estagnação para as classes média e baixa nos EUA. Ah, e sem saúde pública ou benefícios sociais. Afinal, mesmo já tendo pedido falência várias vezes, Trump não tem empatia com esse bando de perdedores pobres (que o elegeram).

É estranho que Adam Smith – vendido pelos conservadores como um defensor de que o egoísmo é o motor da economia – seja, na prática, um delicado observador da solidariedade (e da falta de de solidariedade) entre os homens.

Mas é preocupante que, depois de séculos contando com o egoísmo como  motor da economia, tenhamos chegado a um ponto em que a falta de empatia com o sofrimento alheio seja o determinante da mudança política em muitos países.

Se as novas políticas sociais e econômicas forem criadas com esse desprezo total pelo que os outros sentem, aumentaremos ainda mais o sofrimento e a insatisfação a nossa volta.

Nos tempos da tecnologia de informação e dos níveis de renda (total) mais altos já registrados, condenamos pessoas a sofrerem por não poder pagar um médico (e por nosso governo ter sucateado o SUS).

Tenho dificuldade em entender porque parece ter havido uma onda conservadora em tantos lugares. No Brasil, houve uma grande decepção com a esquerda (que o PT engoliu e depois afundou). Mas na Inglaterra? nos Estados Unidos? Sim, havia insatisfação por lá. Mas por que ela foi canalizada nessa direção? Por que não virou pressão por mais serviços públicos? Por que o discurso do imigrante como bode expiatório emplacou?

Eu sei, há o problema do medo. O combustível de quase todo conservador é o medo. Medo de perder o que tem, principalmente. Em tempos de mudança, como a que vem com a migração dos sírios para a Europa, muitos conservadores ficam com medo de perder espaço.

É horrível. Itália, Alemanha e tantos outros países europeus enviaram emigrantes, aos milhões, para todo o mundo nos séculos XIX e XX (quando enfrentaram guerras e crises econômicas). E agora, parte de sua população é fortemente contra receber gente de países em guerra ou em crise.

A falta de empatia, como diria Smith, cria um problema sério para a forma como as sociedades se organizam.

A dúvida é se, apesar de toda a tecnologia e de todo o desenvolvimento econômico que conseguimos nos últimos 300 anos, a falta de empatia e as políticas concentradoras que ela tenta impor terão força para nos levar a uma guerra de todos contra todos, para nos levar a um  período em que políticas toscas desmoralizam os governos e as pessoas não vêem mais para onde correr.

Estamos tomando o rumo do aumento da pobreza? Isso vai ser bem digerido pelas pessoas que votaram nos conservadores achando que eles trariam alguma melhora? E depois, quando a insatisfação aumentar, o que vai acontecer?

dscn3767

De volta à idade das trevas?