Só o constrangimento salva

O novo governo começou com brados contra o politicamente correto e declarações desmentidas sobre política econômica. A única coisa mais ou menos consistente nele – desde a campanha eleitoral – é a parte sobre valores: há meses o eleito prega a volta aos anos 50. Nessa época, declarações racistas, homofóbicas e sexistas eram motivo de risos alegres, sem constrangimentos.

Eu sei, sempre é possível destruir coisas e correr de volta para a Idade das Trevas. Mas tenho dúvidas sobre se, depois de minimamente entender que o preconceito não é uma coisa boa, os eleitores do eleito conseguirão voltar às piadas preconceituosas sem sentimento de culpa.

Minha dúvida é a seguinte: é psicologicamente possível, para cada eleitor em particular, retroceder na escala do politicamente correto?

Para o bem ou para o mal, essa dúvida será tirada. Vamos ver, nos próximos meses, se os sujeitos que se sentiam tolhidos pelo politicamente correto podem voltar a discriminar pessoas sem serem responsabilizados ou sem, de alguma forma, perceberem que estão do lado do crime (sim, discriminação é crime).

Se é uma guerra cultural o que vem por aí, um dos lados já pode começar sabendo que está errado. Por mais que pastores e ministros(as) digam que estão fazendo o bem, as ovelhas saberão. Quem já passeou fora da caverna não consegue voltar a viver no escuro.

dscn3801

Ovelhas de Platão ouvindo o discurso de posse.

Mas e quem nunca saiu da caverna? É muita gente? Eles não se sentirão constrangidos? Vai ser tipo Persépolis?

Anúncios

A promessa dos conservadores

A discussão é uma prova de respeito.

Quando você discute, quando você argumenta com uma pessoa, isso quer dizer que o que ela pensa faz diferença para você (e que, por mais assustadores que sejam os pontos de vista dela, você não a considera um caso perdido).

Essa eleição tem sido especialmente horrível por mostrar como pessoas próximas podem dar tão pouco valor a coisas como diretos humanos básicos, como podem apoiar discursos de ódio a minorias como se fossem coisas normais.

Conversando com vários deles, quando falo nessas coisas básicas (não matar, não mandar a polícia matar, não torturar, não prender a oposição) eles reagem dizendo que isso é só discurso, que seu candidato não vai fazer o que diz que vai fazer.

É complicado votar em alguém porque ele não vai fazer o que diz que vai fazer…

Mas o complicado mesmo é confiar em que ele não vai fazer. Porque, com apoio do Exército, dá para fazer muitas coisas que presidentes comuns não têm como fazer.

E se a intimidação de repórteres é um bom indicador de como anda o respeito às regras do jogo em um país, os primeiros sinais dados pelo candidato ultraconservador não são bons.

Mais da metade dos colunistas de jornal têm repetido isso. Se uma “pessoa de bem” é uma que respeita as regras, acho que todas as “pessoas de bem” têm feito campanha contra o candidato conservador – e, no entanto, ele está na frente nas pesquisas.

Ao longo da história, políticos com discurso agressivo e preconceituoso foram eleitos em muitos países. E vários cumpriram suas promessas. A Europa, dos anos 20 aos anos 40 teve muitos casos assim.

Não há porque acreditar que um candidato não vai fazer o que – há anos – diz que vai fazer. Principalmente se ele tiver meios (Exército) e apoio popular (votos).

O que eu quero dizer, meus amigos conservadores, é que votar por raiva de um partido acreditando que o outro não vai ser o que promete é uma aposta, no mínimo, temerária.

Prometo morder o primeiro que entrar aqui. Não acredita?

O estranho mundo dos economistas (em versão impressa)

Editei a versão impressa de meu livro no site da amazon. Ficou bonitinha. É a mesma história estranha que já estava disponível para kindle sobre economistas entrando na faculdade e descobrindo as bizarrices teóricas (para depois as cometer na prática, no trabalho).

Mas, impresso, o texto ficou mais bonito (com capa fosca em PB e papel creme).

Para quem quiser ler coisas sérias sobre economia, quase recomendo este mini curso de Contas Nacionais que tive que preparar para o trabalho e editei em formato kindle. E, para quem quiser coisas rápidas e curiosas, há este post sobre o Fenômeno de Will Rogers – que escrevi no blog sobre literatura.

DSCN4003

Pavão econômico azul.

PS.: A versão impressa do livro só pode ser pedida pelos sites da amazon EUA ou de alguns países da Europa. Defini o preço no mínimo permitido, quer dizer: o frete é mais caro que o livro…

Entre fanáticos, deterministas e corruptos

Não tenho a mais vaga ideia do que está acontecendo com a política brasileira. Esperava que houvesse protestos nas ruas contra o governo e não há (não entendo como). Esperava que houvesse uma oposição forte e sonora, com um discurso bem amarrado, nomes ministeriáveis e propostas claras. Mas não há nada disso.

A oposição, pelo menos a que tenho visto, se divide entre deterministas históricos, tipo PSOL (que leram Marx e até hoje acreditam que o mundo caminha inexoravelmente para o comunismo) e fanáticos religiosos autoritários.

Os fanáticos merecem alguns parágrafos à parte.  Eles têm mais votos que o PSOL e são capazes de aprovar propostas como a do extermínio em massa de mulheres em clínicas clandestinas (que seria o efeito de proibir o aborto em todo e qualquer caso, como conseguiram aprovar em uma comissão no Senado).

O mais votado deles, Jair Bolsonaro, admite que não têm propostas para a economia (o que é, no mínimo, constrangedor para um candidato declarado à presidência). Bolsonaro quer ser eleito para perseguir minorias e defender o conservadorismo sem máscaras.

Ele, pelo menos, não finge que é liberal.

O que Bolsonaro defende pode ser resumido como a volta aos anos 50 – com todos os preconceitos e idiossincrasias da época.

Em seu comunicado à imprensa se desculpando por não falar sobre economia, o candidato terminou com um “Deus acima de tudo”, que pode ser traduzido como: “os evangélicos e católicos mais fanáticos votarão em mim independentemente do que eu proponha para a economia”.

Em um estado oficialmente laico – e em crise econômica – isso é mais que constrangedor.

Há Lula: a mistura de pragmatismo amoral e corrupção que já conhecemos. Mas uma boa parte dos analistas diz que ele tem votos o bastante para ir para o segundo turno e rejeição o bastante para perder o segundo turno. Isso se não for preso antes.

Há Dória, Hulk e outros PSDBistas que tentam se descolar de Aécio e de sua mala de dinheiro. Mas esse caso é perdido: a mala de dinheiro de Aécio é igual à de Temer na gravação do dono da JBS: é o fundo do poço.

Mala de dinheiro é uma espécie de Supertrunfo da corrupção: nada a ultrapassa, não dá para discutir, não há desculpa ou perdão possível.

E, no meio de corruptos descarados (Aécio), deterministas do século XIX (PSOL e similares), pregadores avessos aos direitos civis (Bolsonaro), corruptos sem mala mas com um telhado de vidro assustador (Lula) e oportunistas que se esforçam para esconder quem os apóia (Dória e Hulk) temos que escolher um candidato?

Por que diabos não aparece um bom leitor de Piketty com uma equipe de técnicos respeitável e propostas claras (e diferentes da agenda conservadora – que é sim impopular) para disputar as eleições?

politicos

Votar num desses? Ainda há tempo para aparecer alguém razoável…

 PS.: A Folha de S. Paulo de hoje diz que Bolsonaro está adotando um discurso econômico liberal, em reuniões com investidores. Se antes, com todos os preconceitos, ele podia pelo menos dizer que era sincero, agora, nem isso.

Economia da saúde

A gestão atual do Ministério da Saúde entrará para a História por sua criatividade sem limites.

Hoje pude ver de perto essa inovação curiosa que é a campanha de vacinação sem vacinas.

É simples: você chega ao posto de saúde e descobre que as vacinas acabaram antes das oito horas da manhã, logo que o posto abriu.

– É para febre amarela? Tem que chegar às 7h – me disse uma mãe de criança com o filho no colo. – Em Botafogo também já acabou.

Segui com minha filha para a Cinelândia, onde eu mesmo tomei a vacina há alguns anos. Lá, o segurança do posto de vacinação foi ainda mais claro:

– A gente só recebe 20 doses por dia. O melhor é agendar a aplicação.

Mas não era uma campanha de vacinação? Agendar no meio de uma campanha?

O verão já acabou e anda há tempo até os mosquitos voltarem a ser um dos grandes terrores cariocas. Mas mandar as pessoas aos postos de saúde sem ter vacinas para aplicar não parece o exemplo de gestão que o atual ministro prometeu quando recebeu o Ministério Saúde em troca dos votos da bancada do PP no Congresso…

Injeção? Vacina? Programa de saúde pública? Só pagando, na clínica particular. Vai um plano de saúde popular sem cobertura de internação também?

A guerra de todos contra todos?

A grande ideia da carreira de Adam Smith não foi a de que a divisão do trabalho aumenta a produtividade. Também não foi a de que, movidas pelo interesse próprio (e respeitando algumas regras, como não matar, não fazer cartel etc.), as pessoas trabalham umas para as outras e organizam o trabalho de forma eficiente.

A ideia que me faz classificar Smith como gênio também não tem nada a ver com o equilíbrio de mercado, com as pessoas querendo produzir mais e consumir menos de um produto quando seu preço sobe.

Gosto dessas ideias e sei que, como quase todas, elas são uma descrição do que Smith observou visitando fábricas e estudando séries de dados (como as dos preços da prata, no capítulo mais extenuante do Riqueza das nações). Muito disso já era intuído pelos empresários da época, mas foi organizado, digerido e posto no papel por Smith.

Mas sua grande ideia, a que o tornou conhecido ainda no século XVIII – e que até hoje é lida sem muitas inclusões, exceções e refinamentos – tem a ver com como as pessoas vêem a si mesmas  e às outras, tem a ver com até que ponto sentem empatia com o sofrimento alheio e como é irritante quando não sentem.

Thomas Piketty, em seu livro sobre concentração de renda e patrimônio, lembra que, apesar de seu alto nível de renda, os Estados Unidos nunca desenvolveram um sistema de bem estar social similar aos sistemas europeus. Os EUA não têm nem ao menos um sistema de saúde pública.

Para Piketty, eles não criaram um estado de bem estar social porque são racistas. Parte da população, mesmo sendo pobre, vota contra o aumento da segurança social e a garantia de atendimento médico para excluir outra parte – com a qual não sente empatia. Eles literalmente não estão nem aí para o sofrimento alheio (sofrimento com a falta de hospital ou de apoio social básico).

E quando a concentração de renda aumenta, essa falta de empatia ganha ares de crueldade.

Um nível alto de desigualdade faz com que algumas pessoas tenham boas reservas/sobras enquanto outras não conseguem o bastante para o básico. As pessoas que não têm o básico ficarão ansiosas para conseguir mais dinheiro. Mas boa parte dos possíveis contratantes está na parte mais rica da população.

A imagem do bilionário praticamente comprando pessoas para satisfazer seus caprichos mais estranhos foi a que saiu do relatório (com informações até agora não comprovadas) sobre o novo presidente dos EUA publicado pelo site Buzzfieed.

Se Trump foi eleito porque parte do eleitorado estava insatisfeita com a estagnação de sua renda nos últimos anos, seu perfil concentrador promete que esse problema não vai ser resolvido: teremos mais concentração de renda e mais estagnação para as classes média e baixa nos EUA. Ah, e sem saúde pública ou benefícios sociais. Afinal, mesmo já tendo pedido falência várias vezes, Trump não tem empatia com esse bando de perdedores pobres (que o elegeram).

É estranho que Adam Smith – vendido pelos conservadores como um defensor de que o egoísmo é o motor da economia – seja, na prática, um delicado observador da solidariedade (e da falta de de solidariedade) entre os homens.

Mas é preocupante que, depois de séculos contando com o egoísmo como  motor da economia, tenhamos chegado a um ponto em que a falta de empatia com o sofrimento alheio seja o determinante da mudança política em muitos países.

Se as novas políticas sociais e econômicas forem criadas com esse desprezo total pelo que os outros sentem, aumentaremos ainda mais o sofrimento e a insatisfação a nossa volta.

Nos tempos da tecnologia de informação e dos níveis de renda (total) mais altos já registrados, condenamos pessoas a sofrerem por não poder pagar um médico (e por nosso governo ter sucateado o SUS).

Tenho dificuldade em entender porque parece ter havido uma onda conservadora em tantos lugares. No Brasil, houve uma grande decepção com a esquerda (que o PT engoliu e depois afundou). Mas na Inglaterra? nos Estados Unidos? Sim, havia insatisfação por lá. Mas por que ela foi canalizada nessa direção? Por que não virou pressão por mais serviços públicos? Por que o discurso do imigrante como bode expiatório emplacou?

Eu sei, há o problema do medo. O combustível de quase todo conservador é o medo. Medo de perder o que tem, principalmente. Em tempos de mudança, como a que vem com a migração dos sírios para a Europa, muitos conservadores ficam com medo de perder espaço.

É horrível. Itália, Alemanha e tantos outros países europeus enviaram emigrantes, aos milhões, para todo o mundo nos séculos XIX e XX (quando enfrentaram guerras e crises econômicas). E agora, parte de sua população é fortemente contra receber gente de países em guerra ou em crise.

A falta de empatia, como diria Smith, cria um problema sério para a forma como as sociedades se organizam.

A dúvida é se, apesar de toda a tecnologia e de todo o desenvolvimento econômico que conseguimos nos últimos 300 anos, a falta de empatia e as políticas concentradoras que ela tenta impor terão força para nos levar a uma guerra de todos contra todos, para nos levar a um  período em que políticas toscas desmoralizam os governos e as pessoas não vêem mais para onde correr.

Estamos tomando o rumo do aumento da pobreza? Isso vai ser bem digerido pelas pessoas que votaram nos conservadores achando que eles trariam alguma melhora? E depois, quando a insatisfação aumentar, o que vai acontecer?

dscn3767

De volta à idade das trevas?

O ataque dos sentimentos morais

Encontrei o trecho abaixo lá pelo meio da Teoria dos Sentimentos Morais, primeiro livro de Adam Smith, publicado em 1759. O trecho é a melhor descrição que encontrei até agora para o ressentimento que parece mover a onda conservadora pela qual estamos passando.

Pela descrição, a impressão que fica é que o ressentimento não vai passar tão cedo.

“O propósito mais almejado pelo ressentimento não é tanto fazer com que nosso inimigo, por sua vez, também sinta dor, mas fazê-lo saber que a sente por causa de sua conduta passada, fazê-lo arrepender-se dessa conduta e perceber que a pessoa que ofendeu não merece ser tratada daquela maneira. O que mais nos enraivece no homem que nos ofende ou insulta é a pouca conta em que parece nos ter, a preferência insensata que dá a si mesmo em detrimento de nós, e o absurdo amor de si que o faz imaginar que outras pessoas podem a qualquer momento se sacrificar por seus caprichos ou humor.”

Não acho que os políticos religiosos e aristocráticos que estão sendo eleitos sejam as pessoas mais habilitadas para diminuir esse ressentimento. Pelo contrário, eles têm potencial para aumentá-lo.

Resta saber como o público vai reagir quando os problemas que esperava resolver crescerem mais em vez de diminuir.

Peru de natal preventivamente ressentido.

Peru de natal preventivamente ressentido.