Entre fanáticos, deterministas e corruptos

novembro 11, 2017

Não tenho a mais vaga ideia do que está acontecendo com a política brasileira. Esperava que houvesse protestos nas ruas contra o governo e não há (não entendo como). Esperava que houvesse uma oposição forte e sonora, com um discurso bem amarrado, nomes ministeriáveis e propostas claras. Mas não há nada disso.

A oposição, pelo menos a que tenho visto, se divide entre deterministas históricos, tipo PSOL (que leram Marx e até hoje acreditam que o mundo caminha inexoravelmente para o comunismo) e fanáticos religiosos autoritários.

Os fanáticos merecem alguns parágrafos à parte.  Eles têm mais votos que o PSOL e são capazes de aprovar propostas como a do extermínio em massa de mulheres em clínicas clandestinas (que seria o efeito de proibir o aborto em todo e qualquer caso, como conseguiram aprovar em uma comissão no Senado).

O mais votado deles, Jair Bolsonaro, admite que não têm propostas para a economia (o que é, no mínimo, constrangedor para um candidato declarado à presidência). Bolsonaro quer ser eleito para perseguir minorias e defender o conservadorismo sem máscaras.

Ele, pelo menos, não finge que é liberal.

O que Bolsonaro defende pode ser resumido como a volta aos anos 50 – com todos os preconceitos e idiossincrasias da época.

Em seu comunicado à imprensa se desculpando por não falar sobre economia, o candidato terminou com um “Deus acima de tudo”, que pode ser traduzido como: “os evangélicos e católicos mais fanáticos votarão em mim independentemente do que eu proponha para a economia”.

Em um estado oficialmente laico – e em crise econômica – isso é mais que constrangedor.

Há Lula: a mistura de pragmatismo amoral e corrupção que já conhecemos. Mas uma boa parte dos analistas diz que ele tem votos o bastante para ir para o segundo turno e rejeição o bastante para perder o segundo turno. Isso se não for preso antes.

Há Dória, Hulk e outros PSDBistas que tentam se descolar de Aécio e de sua mala de dinheiro. Mas esse caso é perdido: a mala de dinheiro de Aécio é igual à de Temer na gravação do dono da JBS: é o fundo do poço.

Mala de dinheiro é uma espécie de Supertrunfo da corrupção: nada a ultrapassa, não dá para discutir, não há desculpa ou perdão possível.

E, no meio de corruptos descarados (Aécio), deterministas do século XIX (PSOL e similares), pregadores avessos aos direitos civis (Bolsonaro), corruptos sem mala mas com um telhado de vidro assustador (Lula) e oportunistas que se esforçam para esconder quem os apóia (Dória e Hulk) temos que escolher um candidato?

Por que diabos não aparece um bom leitor de Piketty com uma equipe de técnicos respeitável e propostas claras (e diferentes da agenda conservadora – que é sim impopular) para disputar as eleições?

politicos

Votar num desses? Ainda há tempo para aparecer alguém razoável…

 PS.: A Folha de S. Paulo de hoje diz que Bolsonaro está adotando um discurso econômico liberal, em reuniões com investidores. Se antes, com todos os preconceitos, ele podia pelo menos dizer que era sincero, agora, nem isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: