É difícil defender redução de direitos trabalhistas e previdenciários ao mesmo tempo em que se defende a manutenção de isenções fiscais e de descontos de imposto para as maiores empresas do país.

O pato amarelo da Fiesp é isso: é a defesa – explícita e meio enfeitada – das reduções de imposto que alguma das maiores empresas do país conseguiram no apagar das luzes do primeiro governo Dilma.

Por que preservar a Fiesp e cortar direitos de futuros aposentados?

Eu sei: a tendência do déficit da previdência é crescer à medida que a população envelhece e, para que não fique explosivo, vai ser preciso mudar as regras. As mudanças de regras, na prática, só farão alguma diferença no longo prazo.

Eu sei também que é preciso discutir que mudanças fazer, que aumentar a idade mínima é razoável (porque as pessoas estão vivendo mais), mas aumentar o tempo mínimo de contribuição é regressivo, porque pune as pessoas que não conseguem ficar muitas décadas em empregos com carteira assinada: pune os mais frágeis.

Então, não dá para aprovar qualquer coisa.

Mas a reforma seria mais palatável se, ao mesmo tempo em que se cortam direitos previdenciários fixados em lei para a população, se cortassem as isenções tributárias concedidas em ano eleitoral a empresas que estão longe de precisar de caridade do Tesouro Nacional.

Se é para fazer as cosias direito, vamos começar assando o pato amarelo?

DSC04241

Pato do imperador: assado no Egito, em 5.000 AC.

O PIB é pop

junho 9, 2017

Há toda uma geração de economistas que não leu Adam Smith – e que também não sabe o que é PIB.

Smith se encaixa na definição de clássico: é o autor que todo mundo cita e ninguém conhece direito.

Com o PIB é parecido: alguns odeiam, outros usam como denominador em um monte de contas, mas pouca gente sabe bem o que ele é.

Só para registro: ele é uma medida de geração de renda. O PIB não é “a soma de tudo que é produzido”, não é “a medida da riqueza do país” e muito menos “a soma das riquezas produzidas”.

Ele pode ser calculado de três maneiras diferentes (mas todas dão o mesmo resultado) e, ao longo do tempo, virou uma espécie de denominador universal para números grandes: o consumo, os impostos e até o valor dos empréstimos do BNDES são apresentados como percentual do PIB.

Nem sempre a divisão de alguma coisa pelo PIB faz sentido, mas ela normalmente dá uma ideia de ordem de grandeza.

Bom, para tentar explicar a um grupo ainda não muito definido de alunos o que é o PIB e como ele é calculado, preparei  o texto neste link (que não custa deixar aberto a quem se interessar). O texto vem com várias tabelas ilustrativas, com os dados das últimas contas nacionais anuais que o IBGE publicou.

Além de falar do PIB anual, o texto mostra um pouco das contas que levam ao PIB trimestral, objeto de culto em consultorias e em áreas de pesquisa de bancos.

Há um capítulo também (é pequeno) sobre contas de meio ambiente e um sobre classificações e definições (para quem sofre de insônia).

Se alguém ler até o fim, por favor, escreva avisando.

DSCN4001

Pavão: classificado como parte da Agropecuária.

PS. O curioso é que várias definições das contas nacionais já apareciam no Riqueza das Nações, de Adam Smith. Algumas, como a formação de capital (investimento), já aparecem até com o nome que ficou nas contas nacionais.