Futurologia aplicada

dezembro 4, 2012

Governo, consultorias e bancos começaram o ano de 2011 prevendo um crescimento entre  4,0% e 4,5% para a economia. Ela fechou o ano em 2,7%. Em 2012 foi a mesma coisa: previsão de crescimento de 4,0% (e talvez não chegue a 1%).

Agora – quase surpreendentemente – estão prevendo os tradicionais 4,0% para 2013. Não vai ser nenhuma supresa se a economia crescer menos do que o previsto.

Mas por que 4%?

Bom, há alguns anos, um acadêmico estimou que a economia brasileira tinha potencial para crescer nesse ritmo sem acelerar a inflação. Ele estimou o que os economistas chamam – com alguma pompa – de Crescimeno Potencial do Brasil.

Sem melhores dados para falar sobre o futuro um ano a frente, quando têm que fazer uma projeção, os analistas de consultoria chutam o crescimento potencial.

Até o penúltimo dia do mês passado, esses mesmos analistas estavam estimando um crescimento de 1,2% para a economia do país no terceiro trimestre de 2012. Nesse caso, nem futurologia era: o terceiro trimestre já tinha acabado.

Bom, eles errarm. Todos erraram. A economia cresceu metade disso.

Mas como todos podem errar juntos e por tanto?

Essa é fácil: eles seguiram o Banco Central. Umas duas semanas antes da divulgação do PIB, o BC divulgou o IBC-Br, sua prévia do PIB. Se não consegue mais coordenar as expectativas de inflação, o BC, pelo menos, coordena as expectativas dos consultores para o crescimento da economia.

Resumindo: sem bons modelos para projetar crescimento, a maior parte dos bancos e consultorias foi atrás da projeção do BC – que também não era muito boa.

O assustador é pensar que – se os analistas erram, por muito, a projeção para o trimestre passado – a qualidade de suas estimativas para o futuro mais distante não pode ser das maiores.

Ok. Ninguém conhece o futuro. Mas confiar demais em quem diz que conhece pode ser trágico às vezes.

O efeito do erro pode ser especialmente grande se ele for em algo que atinge imediatamente a vida das pessoas, como os preços.

As projeções de bancos e consultorias para a inflação no ano que vem estão em torno de 5,5%. Mas o investimento está baixo, o consumo está crescendo mais do que a geração de renda há vários trimestres – e é impossível barganhar na hora de pagar coisas como mensalidade de escola e plano de saúde.

Se modelos econométricos são ruins (principalmente em época de mudança de política cambial e monetária), o que resta, para tentar ter uma vaga idéia de como será o futuro, é olhar para os grandes agregados e lembrar dos pricípios gerais de economia.

Hoje, eles indicam que há poucos incentivos para produzir (daí a queda do investimento nos últimos meses) e há um nível de renda alto, comparado ao histórico do país. Há mais crédito ao consumidor que em qualquer outra época (ele está cresceno mais de vagar, mas não parou de crescer). Resumindo, os ingredientes para o aumento da inflação estão aí. Vale a pena se preparar.

Se preparar para o pior cenário (que nesse caso é bastante provável) é melhor do que ficar tentando fazer uma projeção precisa e apostar nela. Afinal, não dá para fazer uma projeção precisa.

Dragão asteca da inflação: "Esperando sorridente".

Dragão asteca da inflação: “Esperando sorridente”.

Anúncios

Uma resposta to “Futurologia aplicada”

  1. rmoraes said

    Mantega parece não ter gostado do crescimento da economia. Mas ele acabou de fixar a Taxa de Juros de Longo Prazo a baixo da inflação (como nos tempos do Geisel), prometeu desviar mais R$ 100 bi do Tesouro Nacional para empresas amigas via BNDES e mudou (de novo!) o IOF para empréstimos no exterior. Pior: hoje ele declarou que queria dar desconto nas tarifas de energia – mas não com o dinheiro do governo, com o dos outros!

    Depois não entende porque ninguém investe. O governo – que deveria trazer estabilidade de regras, moeda, instituições – é o primeiro atacar as três…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: