Num terreno baldio em Paris

janeiro 29, 2012

A imprensa está mansa. Mais mansa que no fim dos anos 60. Naquela época, mesmo com censura e afins, se uma figura pública começasse a não dar satisfações sobre algum tema importante para sua área, podia descobrir, lendo o jornal, que tinha sido entrevistada à meia noite, em um terreno baldio, tendo como testemunha apenas uma cabra vadia que comia a paisagem (e que tinha sido excessivamente sincera na entrevista).

Eu sei, é muito esperar que apareça um novo Nelson Rodrigues para entrevistar nossos políticos, diretores do Banco Central, religiosos e afins. Mas alguém podia, pelo menos, entrevistar o governador do Rio de Janeiro.

No terreno baldio, à meia-noite, o governador explicaria suas relações com os empresários de ônibus, suas caronas em helicópteros de construtoras contratadas pelo Estado, a origem do dinheiro para comprar sua nova casa em Angra e até o motivo de estar sempre fora do Rio (de preferência em Paris) quando alguém precisa falar com ele.

A entrevista apócrifa, para conforto do governador, poderia ser feita em um terreno baldio parisiense, tendo como testemunha uma cabra produtora de queijo – do tipo que só come paisagens selecionadas. Como é apócrifa mesmo, ela poderia ser regada a bons vinhos locais e, é claro, poderia manter a tradição de sinceridade de suas ancestrais rodriguianas.

Nelson: algumas das melhores entrevistas que nunca aconteceram.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: