Pangloss, Pollyana e o viés do Dr. Kahneman

janeiro 9, 2012

É bom que a Europa entre em recessão e melhor ainda que Guido Mantega continue no Ministério da Fazenda depois da reforma pré-eleitoral que Dilma fará em sua equipe.

Uma semana atrás, se lesse a frase acima, eu ia achar que tinha sido escrita por um lunático. Mas, excesso de otimismo à parte, concordo com ela. Estou lendo o novo livro de Daniel Kahneman, o psicólogo que ganhou o Nobel de economia. O livro fala mais de estatística do que de qualquer outra coisa e acaba com a maneira como os economistas entendem a ideia de utilidade.

Kahneman e seu co-autor, Amos Tversky, perceberam que as pessoas sofrem de aversão à perda. Resumindo muito, a perda de satisfação por perder R$ 1.000 é muito maior que a satisfação de ganhar R$ 1.000. A teoria vai bem mais longe do que isso. Mas, parando aí, já dá para explicar porque passei a comemorar a recessão européia.

Agora, no auge da crise – quando os governos estão com a corda no pescoço, sem saber se vão conseguir pagar as contas do mês que vem – é a hora ideal para empurrar medidas que, em qualquer outro momento, seriam consideradas politicamente inviáveis. A aversão à perda faria os eleitores derrubarem qualquer um que propusesse um ajuste igual a metade do necessário para botar as contas públicas de Grécia, Itália e cia. em ordem.

Eu sei, o ideal seria fazer o ajuste aos poucos, para evitar a recessão. Eu sei, ter famílias, empresas e governos cortando gastos ao mesmo tempo (em vários países) é uma receita para o desastre. Mas se os governos não fizerem os cortes agora, não vão conseguir aprova-los depois – quando a crise não estiver encostando a faca em seus pescoços.

A aversão à perda – de cada um dos eleitores – faz com que prefiram a bomba de longo prazo do que o corte de salário amanhã. É irracional, mas quem disse que nós somos racionais? (há uma longa lista de autores, mas eles estão errados).

Kahneman certamente não imaginou que suas ideias poderiam justificar um aperto de cinto de proporções latino americanas na Europa. Mas, por estranho que pareça, é o que resta fazer. É isso ou continuar com a incerteza à porta, com os problemas em banho-maria enquanto os políticos se esquivam de tomar medidas impopulares (e, infelizmente, necessárias).

Sobre o Mantega, bom, li esta semana um artigo excelente do Armando Castelar associando a entrada de dólares dos últimos anos a altas  de  preço – como a dos imóveis. O investimento externo tem contribuindo para que o Big Mac daqui seja mais caro que o dos outros lugares.

O Brasil, em tempos de crise bancária internacional e recessão européia, virou um bom lugar para guardar dinheiro.

Mas, quando o dinheiro entra muito rápido, ele cria bolhas, aquece a demanda e produz um certo suspense sobre o que vai acontecer quando parar de entrar.

Os economistas mais tradicionais sabem que há pouca coisa a fazer sobre isso. Quando o dinheiro quer vir, ele vem. Não há câmbio controlado, controle de capitais ou qualquer outro controle que funcione.

Para moderar os efeitos da enxurrada de dólares, o Banco Central tem mandado parte dos dólares de volta para o exterior (como reservas internacionais) e a presidente Dilma tem mantido Mantega no ministério.

Não que qualquer medida proposta por ele afete realmente o câmbio ou o fluxo de recursos. Quem afeta é ele, diretamente. Mantega funciona como um espantalho em plantação de milho. O risco, a ameaça crível de ter medidas completamente sem nexo adotadas a qualquer momento na economia desestimula boa parte dos investidores mais sérios a olhar para o Brasil. E isso diminui a entrada de dólares.

A heterodoxia, enfim, é útil.

E o saldo da história é que estamos bem com nosso ministro e a Europa está bem com sua recessão iminente (apesar dos empregos que serão perdidos, da queda de padrão de vida e da troca amarga de olhares entre gregos e alemães). Tudo vai bem, no melhor dos mundos possíveis.

Como diria Voltaire: "Tá otimista é?"

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: