Aéreo, sem dúvida

abril 22, 2008

No fim de março, resolvi tentar a sorte e, destemidamente, preenchi um formulário destinado à ouvidoria da Infraero. Minha queixa dizia respeito a um fato tão absurdo quanto corriqueiro: a Gol, mais uma vez, me deixara pastando na sala de embarque, “aguardando a chegada de um vôo de conexão”. Como nunca soube de regulamento citando tal justificativa como aceitável para atrasar a partida de um vôo, decidi aproveitar o tempo ocioso e exercer minha cidadania, ou seja, reclamar.

Escrevi à mão uma reclamação e deixei na caixinha da Infraero.

A resposta, enviada por email já no dia seguinte, mostra que o caos, muito mais que aéreo, é mental. O trecho essencial diz: “A Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC, que é a responsável pela regulamentação e fiscalização dos assuntos de competência das companhias aéreas, solicitou-nos que a sua manifestação seja registrada naquele órgão […]”

Entenderam, meus amigos? Segundo a Infraero, depois de registrar uma reclamação por escrito, com todos os detalhes (número do vôo, data, horário, circunstâncias), devo repetir o processo, para que a Anac possa tomar ciência do fato.

Nem Infraero nem Anac ouviram falar de fotocópia, scanner ou fax. Ou uma da outra.

Made in Manaus

abril 19, 2008

Uma das características mais curiosas de Manaus é o orgullho do importado. Quem vai ao Teatro Amazonas, orgulho da cidade, é apresentado a pinturas italianas, às escadas de metal inglês e  ao teto do salão principal – feito para imitar a vista de quem está embaixo da Torre Eiffel.

O único livreto antigo em exposição –  na vista guiada – está en inglês. Assim como inglês é o autor da ópera que abriu a temporada deste ano no teatro: Roger Waters.

Sim, o vocalista do Pink Floid é chegado a uma ópera. E a do Teatro Manaus fala sobre a Revolução Francesa. Nada contra Waters, nem contra o orgulho de importados que a guia da visita ao teatro faz questão de ostentar. Só é difícil entender por que uma cidade que produz motos, TVs a até canetinhas Bic para todo o país faz tanta questão de destacar seus prédios e tubulações projetados na Inglaterra.